TOP

Assembleia nesta Quinta Feira Dia 04/07/2019

 ASSEMBLEIA DO SINDICATO DOS BANCÁRIOS / AFIN

 

O Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro e a AFIN convidam todos os empregados a comparecerem à Assembleia Geral Extraordinária, convocada para o dia 04/07/2019, com primeira chamada às 15:00h e chamada final às 15:30h.

 

Local: Centro de Convenções do Edifício Ventura – Térreo

Chamada Final: 15:30h

 

PAUTA:

 

1.Discussão e deliberação acerca da proposta patronal para celebração de Acordo Coletivo de Trabalho que irá reger as condições de trabalho da categoria 2018/2020, incluindo PLR dos exercícios 2018 e 2019;
 

2.Discussão e deliberação acerca da proposta de Taxa Negocial a ser contratada.

O Colegiado
     Em, 03/07/2019

 

TOP

MAIS UMA CONQUISTA DA GREVE NA FINEP

O movimento grevista, encerrado a 00:00 de hoje, produziu tanto conquistas econômicas (elevação da PLR, elevação salarial de 9% retroativos a setembro etc.) quanto conquistas democráticas.

Além de estreitar os laços de relacionamento entre os empregados que compareceram massivamente a Assembleia do Sindicato/AFIN na tarde de ontem, promoveu a liberdade individual de manisfestação por meio do correio eletrônico. Vários foram os colegas que encaminharam mensagens eletrônicas para todas as unidades da Empresa – Rio, SP e Brasília – exortando os empregados da FINEP a comparecerem à Assembleia do Sindicato dos Bancários/AFIN.

A efervescência criada pelo movimento grevista possibilitou que as RES/DIR/077 de 2001 conjugada com a RES/DIR/111 de 2007 fossem descartadas da FINEP, e com isso fosse restabelecida, de fato, a liberdade de manifestção e livre expressão do pensamento.

Esperamos agora que, por coerência, a Diretoria da FINEP anistie todos os colegas que foram anteriormente punidos a este título e restabeleça as caixas postais corporativas que foram caladas por essas normas (Biblioteca, CIPA e AFIN).

VIVA A LIBERDADE DE EXPRESSÃO!

ASSOCIE-SE À AFIN E FORTALEÇA A LUTA DOS EMPREGADOS DA FINEP.

TOP

Finep: GREVE TERMINA NO 13º DIA

 
Funcionalismo da FINEP sai fortalecido pelo grau de consciência política e organização do movimento.
 
 
 
Cerca de 250 funcionários da Finep (Financiadora de Estudos e Projetos) decidiram, na segunda-feira (23), por 116 a 113 votos e 13 abstenções, encerrarem a greve no 13º dia de paralisação.
A Assembléia decidiu ainda condicionar a assinatura do acordo ao não desconto dos dias parados, à definição precisa da data da entrada em vigor do novo Plano de Carreira e também à informação dos nomes dos representantes da empresa e ao prazo do início dos trabalhos da comissão de saúde e da CPN.
 
 
 Aula de democracia
Realizada no auditório do Sindicato dos Bancários, a assembleia garantiu um bom debate de ideias, em que participaram superintendentes e chefes, comissionados orientados pela empresa desde quarta-feira (18), com o objetivo principal de por fim à greve, o que acirrou os ânimos entre os empregados. O Sindicato garantiu o livre debate de ideias e o respeito aos pontos de vista de cada orador.
  
 
A entidade lamenta que num governo que se pretende democrático e popular, a diretoria de uma empresa estatal desrespeite o direito de greve e use subterfúgios como convocar comissionados, fazer ameaças de ajuizamento de dissídio (concretizado no dia da assembleia) e iludir funcionários com promessas de um novo quadro de carreira, cuja aprovação enfrenta graves dificuldades junto ao Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (DEST).
 
 
 
Aliás vale lembrar que espertamente a Diretoria da FINEP somente informou aos empregados que havia dado entrada no ajuizamento de dissídio quando do horário de ocorrência da Assembléia e “às escondidas” ainda no dia 18.  Sabia a Direção da empresa que se fizesse esse comunicado na INTRANET antes , grande parte dos seus “comandados” não compareceria para votar pelo encerramento da greve e o Presidente e a cúpula da FINEP ficaria “bem na fita” com o novo Ministro Marco AntônioRaupp.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
  Lição
A greve da Finep contou com intensa participação dos funcionários e o debate democrático de ideias. Esta foi uma lição para todos, especialmente para a direção da empresa que parece cada vez mais longe de compreender que a democracia pressupõe o respeito às diferenças.
A greve na Finep deixou evidente a divisão entre os funcionários. Precisamos ressaltar o espírito de luta, a capacidade de organização e mobilização e o alto nível de consciência política de uma parcela importante do funcionalismo que sai fortalecido desse processo“, avalia o diretor de Imprensa do Sindicato  dos Bancários, Ronald Carvalhosa.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
TOP

SEM DIÁLOGO….

AFIN INFORMA
 CONTINUA NA 3ª FEIRA A GREVE POR TEMPO INDETERMINADO
 A greve, em seu sexto dia, manteve a participação e o ânimo elevados.
 A Assembleia do Sindicato/AFIN ocorreu às 12h, conforme combinado, e 
deliberou:
 - Manter a Greve em curso, com nova Assembleia na terça-feira, às 12h, 
na porta da FINEP;
 - Encaminhar carta ao Excelentíssimo Ministro da CT&I.
 Na troca de informações e percepções, que ocorrem na porta da FINEP, 
entre os partícipes da greve, foram destacados alguns pontos:
 
- Em todas as Notas da Diretoria (da FINEP) é omitida a diferença entre 
remunerações em uma jornada de 08 horas para remunerações em uma jornada
de 06 horas. Esta estranha omissão esconde o fato de que a mesma 
remuneração para 08:00h é muito menor quando comparada a uma Instituição com uma 
jornada de 06:00h. Este fato tem trazido indignação aos empregados;
 - Todas as dificuldades atribuídas ao DEST para que as reivindicações dos
 empregados da FINEP sejam atendidas são desmentidas pelo fato de terem 
sido concedidas pelas demais instituições co-irmãs, tais como BNDES, BB 
e CEF, todas também sob a "jurisdição" do DEST;
 
Não passa pela cabeça de ninguém que o DEST esteja discriminando somente
a FINEP.
 A origem dessas dificuldades parte do Presidente da FINEP que não 
demonstra vontade política para, legalmente, exercer a autonomia 
administrativa e financeira que a Empresa possui, como a exercida pelos 
demais gestores, e inclusive pelos gestores que o antecederam na 
Presidência da FINEP;
 - Em nenhuma das mesas de negociação onde os interesses dos empregados 
e da Empresa foram pactuados, ocorreu o que se passou na FINEP: os 
representantes da Empresa terem apresentado propostas do Presidente e, 
em seguida, após ampla divulgação para os empregados, aquelas terem sido 
retiradas por determinação do próprio Presidente, de forma unilateral.
 As Atas oficiais dessas reuniões de negociação, devidamente assinadas 
pelos representantes da Empresa e dos empregados, foram amplamente 
divulgadas por meio digital ao corpo funcional, em nota desta Associação.
 Este fato dá a medida da falta de seriedade e respeito com que a Direção 
tem tratado as negociações com seus empregados. Isto, sobretudo, trouxe 
indignação ao corpo funcional da FINEP.
 
*TODOS À PORTA DA FINEP NESTA 3ª FEIRA*
  *ASSEMBLEIA AO MEIO-DIA*